Um Feliz Natal a todas as Femininas


Um Feliz Natal e um 2008 cheio de Sonhos e Conquistas!

Não deixem de Sonhar e nunca esqueçam a Música da vossa Vida!

III Sellium - Tomar 2007



Na Terra dos Templários, sob o Luar que cruza o Convento de Cristo, A Feminina vestiu o Traje negro para encantar as margens do Nabão. Entre o Maneio, a Noite de Farmácia e a peculiar Chamateia versão rítmica, a festa foi constante! Sorrisos à Solta, quem estava à volta não continha a vontade de se juntar à alegria que os instrumentos e as vozes já roufenhas proliferavam! Foram merecidas as lindas Serenatas que a V Comenda, grupo de Serenatas composto por elementos da Tuna Templária de Tomar, ofereceu às “donzelas” farmacêuticas que enternecidas ouviam, de capa traçada, bandolins e bandolas acompanhados das (lamechas!!) palavras apaixonadas dos “trovadores”.




E assim se fez o Fado d’A Feminina em Tomar: o Espírito imparável, a rebeldia, a irreverência, a alegria e a vontade de estar em palco e sermos unas espelhou-se nos prémios que trouxemos: melhor instrumental, melhor estandarte (grande Lidgy!!), Tuna + Tuna (gritado em palco por todas as Cavaleiras de Sellium, tuna anfitriã) e Melhores Pernas (prémio atribuído pelos espectaculares Guias (os nossos e os outros!!). Ficam ainda na memória as palavras daqueles que no segredaram aos ouvidos “vocês é que deviam ter ganho Melhor Tuna!”, “Foram as melhores!”… Obrigada a todos os Amigos de Tomar e às Cavaleiras pelo Grande Festival que nos proporcionaram! Esse sim é o verdadeiro prémio: estarmos juntas e fazermos aquilo que fazemos melhor – beber, tocar, cantar, beber!... Quero dizer com isto ESTAR JUNTAS E SERMOS UMA SÓ: SERMOS A FEMININA!


Noite de Serenatas 07 – Aveiro


Rumo ao Norte, A Feminina seguiu até Aveiro para o seu primeiro festival 07/08! A expectativa era muita… Para algumas meias roxas, era o primeiro festival, para outras, foi a primeira subida ao palco como Vet! O ambiente vivido no Festival, junto com a TFEUP, a Gatuna, a Tuna Maria e a Tuna Feminina da Católica do Porto, foi espectacular! Muita música, animação e grande espírito se partilhou entre as Tunas.

Lá fomos, no autocarro do Sr. Rodolfo (vulgo, Sr. Roberto), já com um nervoso miudinho da noite que se aproximava! Grande Noite de Fados! Foi ao som de Barco Negro e Menino do Bairro Negro que a Salomé e a Rita Blue silenciaram quem assistia estupefacto à actuação das suas lindas vozes! E para aquecer a noite, umas castanhas assadas e uma noite no bar da Universidade de Aveiro. Uma noite onde a peculiar criatividade das nossas Candidatas a Femininas mais uma vez surpreendeu…

Tarde de Jogos Tradicionais (e outros!) não podia correr melhor! Ganhámos Jogo do Stop, duas equipas vencedoras na Sueca, uma boa apanha bolas e o Jogo das Cadeiras teve de acabar mais cedo porque derrotámos toda a gente, ao ponto de ficarem apenas em jogo as nossas meias roxas!!! Ah sim… ainda marcámos uns pontos no Bowling, né Beza??

Enfim! A Tarde animada pela boa disposição da nossa Tuninha!!!

Dali voámos para o Palco do Auditório da Universidade de Aveiro! Vai Tuna!!!! A emoção foi inexplicável! Estarmos juntas em palco é sem dúvida um momento que devemos sempre guardar na memória, para nos dar força para que continuemos a Crescer! Viva o double FRI! =p

Tuna mais Tuna.

Melhor Tuna.

Palavras para quê?

Por tudo, obrigada Aveiro!

… A Tuninha quando passa com o Traje negro p’ra lá!...

5º Encontro Nacional de Tunos – 12-14 Out 2007

Foi num ambiente de alegria que “A Feminina” marcou presença no 5º ENT, este ano organizado pela Tusófona, tuna da Universidade Lusófona de Lisboa.
Embora a nossa expectativa fosse de uma adesão muito superior à que encontrámos (tendo em conta que foi o primeiro ENT realizado em Lisboa), este encontro prometia ser para recordar durante muito tempo.

Tudo começou na tarde de 6ª feira, com o afinar do paladar numa aula de degustação e prova científica de vinhos orientada pelo tão conceituado crítico João Paulo Martins. Enquanto saboreávamos os diversos vinhos que vinham ter ao nosso copo, fomos ouvindo falar de todo o seu processo de conserva e envelhecimento, até este chegar às nossas mesas. Mais umas garrafinhas, e tínhamos ficado experts no assunto! Pelos muitos comentários que fomos ouvindo no decorrer do encontro, a noite foi cheia de animação. Não fomos a tempo de assistir a uma noite de fados, que todos dizem ter sido fantástica, mas ainda demos um saltinho ao Real República de Coimbra, no Parque das Nações. E porque o ambiente era de Farmácia, pois as tunas lá cruzaram os caminhos, a noite foi de um Espírito Académico à altura dos presentes! Em grande!

Após uma noite longa, a manhã de Sábado teve obviamente (e vá-se lá saber porquê!) uma fraca adesão, no entanto a tarde reservou-nos momentos de grande debate e alguns momentos mais acesos durante algumas conferências. Entre outros, foram discutidos temas como:
“Tunas Académicas e Universitárias, Estudantinas, Grupos Académicos Musicais, Tunas de Cidade, Orfeãos, Grupos de Cantares…”
– Diferenças, conceitos, objectivos e origens;
“A importância do uso rigoroso do Traje Académico/Universitário e do Traje da Tuna” – usos indevidos, desvios, personalizações incongruentes e efeitos negativos que destes advêm;
“A constituição de uma Federação Nacional de Tunas Académicas/Universitárias – prós e contras? “
– Enquadramento Académico, viabilidade e fundamentação.

A noite foi reservada a uma não menos polémica tertúlia, nas agradáveis instalações do Estádio Universitário da Universidade de Lisboa.
O ambiente que fervilhada depois dos acesos debates da tarde deu aso a um debate aberto, onde se discutiu a “ Ética Tunante – do membro Tuno, ao grupo Tuna ”. Fez-se uma reflexão sobre as posturas e padrões de comportamento desejáveis e desejadas interna e externamente ao movimento tunante. Da conversa surgiram grandes trocas de experiências e vivências entre tunos, mais e menos maduros, de iguais ou diferentes opiniões, deixando, cada um, vir ao de cima aquilo em que acredita. A noite acabou ao som de muitos acordes, guitarradas e cantorias, muitas conversas e alguns copos que por si só mostraram o Espírito Tunante que ali se respirava.


No Domingo, a manhã foi dedicada primeiro à oficina de execução musical (instrumentos) e depois à oficina de técnica vocal. Foram horas que renderam, já que por um lado saímos de lá a conhecer melhor o nosso instrumento e cheias de vontade de progredir, e, por outro, ouvimos sábios conselhos e aprendemos os melhores truques para cuidar das nossas cordas vocais que saem tantas vezes prejudicadas.


Depois de uma horinha de descanso, e confortadas com uma óptima feijoada, a tarde continuou com mais uma oficina, desta vez de direcção artística, dada por ensaiadores e produtores. Entre muitos assuntos, debateu-se a organização da tuna em palco, quer estética, quer técnica, bem como questões de cariz musical mais indicado para os ensaiadores presentes.


Chegámos assim ao final do nosso primeiro ENT com a sensação de uns dias bem passados e melhor ainda, com vontade de fazer mais e melhor neste fantástico mundo que é a TUNA e para nós que é “A FEMININA”.

Semana do Caloiro


Não há semana que melhor faça o Porto de Honra de um novo ano que se inicia que a Semana do caloiro. Não há momento mais expectante que o de um caloiro que especula sobre o seu primeiro dia de faculdade… Aulas Teóricas? Teórico-práticas? Práticas? Laboratoriais? Mas qual é a diferença? As cadeiras não são todas a mesma? Porque mudam os professores? Cadeiras? Regentes? Catedráticos? Nini??? Muitas questões pairam na cabecinha destas crianças que olham para a fachada da Faculdade de Farmácia com um terror quase inato. Pois descansem, caros caloiros, porque a faculdade é muito mais que livros com mais de 400 páginas, em inglês, espanhol ou qualquer língua esquisita, e cujas imagens passam a ser ciclos atrás de ciclos, ou moléculas com nomes estranhos e cujas letras grossas da capa são tão assustadoras como Química Orgânica, tenham medo! Muito medo!

Não caloiros… As palmeiras pintadas com batom na cara, as unhas de roxo, a sangria na escolha de horários, as orelhas de burro, as cordas, os Fados, o Jantar do Caloiro, as Festas de Farmácia e as Noites de Tunas são a verdadeira amostra do que vale a pena na faculdade! O espírito de união, companheirismo, o Traje, a amizade, o orgulho de dizer sou da FFUL!! Sejam, caros caloiros, bem-vindos a esta Grande Casa! Vivam esta Grande Família!

Claro que o “Santo Graal” do Espírito Académico de Farmácia, são as Tunas da Casa! E quantos de vós não gritam já pelo “Titula-me” nas actuações d’A Feminina? Caros caloiros, a vida académica só faz sentido quando somos parte da supremacia de estar em palco com instrumento na mão e Farmácia na Lapela!

A Feminina marcou a diferença com a Sangria e as Madalenas na noite da Procissão até à Escolha de Horários, o Jantar do Caloiro e a grande e única Noite de Tunas, em que o palco se vestiu a rigor, de Traje e Capa Negra!

Sejam bem-vindos, Caloiros! E MENINAS, os ensaios são as Terças (18h-20h) e Quintas (18h-22h, com jantar na cantina). Apareçam! Podem não saber tocar nenhum instrumento, não saber cantar (ainda), não saber ainda os passos do Maneio, mas se o Espírito Académico já mexe dentro de vocês, não hesitem! Façam parte d’A Feminina e aprendam o que é realmente ser parte do Mundo Universitário na sua essência e como Estudante Académico!

E já agora... Boa Sorte para o novo Ano Académico que se inicia!

Tourné 2007



Como todos os anos, A Feminina reuniu-se em fim de Férias de Verão, algures pelo país, para rever velhas amizades, relembrar velhas músicas e dar vida a novos sons!
Este ano acolheu-nos Vila Viçosa! E nas festas dos capuchos, os foguetes de final de noite eram acompanhados dos olhares de capa traçada de 23 femininas! Cantámos e encantámos!


Foi lindo! A Feminina é que Domina!!!

Apresentação Tuna A Feminina

video

Contacte-nos!

A Feminina

Quando o preto da capa traçada se juntou à luz de um sorriso, banhado em copos e guitarradas, eis que surgiu então a verdadeira essência de ser tunante, o orgulho infinito de poder dizer que algum dia já fui uma Feminina.


Foi assim, numa noite como tantas outras, que um grupo de amigas deu asas ao coração, bebeu um trago de inspiração e tocou à luz da lua as primeiras notas de um destino tão apetecido.


Foi então em Fevereiro de 1996 que tudo começou, e foi no dia 10 de Maio do mesmo ano que aconteceu a nossa estreia, a qual ocorreu na carismática sala de alunos da Faculdade de Farmácia da Universidade de Lisboa.


As notas primeiro, depois uma música, um copo à mistura e um sorriso malandro, os anos passando e agora somos cerca de 50, no mesmo espírito, na mesma dedicação deixando às que entram vontade de ficar e àquelas que se ausentam a eterna saudade de sempre voltar...


Somos uma tuna com 15 anos de existência, que tem levado aos "4 cantos" do país o Espírito Académico e o orgulho de fazer parte da Tradição da Música Portuguesa e da Vida Universitária.


No coração, levamos a sensação de algo que jamais morrerá...


Uma vez Feminina, Feminina até ao fim!

afemininafful@gmail.com